1ª Guerra Indo - Paquistanesa


Período
1965
Área do conflito
Sul da Ásia
Protagonistas
Índia e Paquistão
Histórico
A região da Caxemira, do ponto de vista estratégico, tinha importância tanto para a Índia quanto para o Paquistão e sua perda era inadmissível para ambos. Já haviam lutado por ela nos anos de 1947-48, ficando dividida entre os dois por uma linha de cessar-fogo. Tentativas de solução para o problema frustraram-se e as negociações foram suspensas em maio de 63 e seis meses depois a Índia acelerou o processo de integração da Caxemira ao seu território. Descrente de um acordo, o Paquistão optou pela força militar a fim de impedir a anexação. Em janeiro de 1965, houve choques entre as guarnições da fronteira e em abril, aproveitando que o rearmamento do Exército indiano não estava completo e que suas tropas estavam concentradas próximo à China, o governo paquistanês determinou que uma brigada atacasse a área, precariamente defendida. Os indianos revidaram com duas brigadas, mas os combates não foram de grande intensidade e produziram menos de 100 mortos em seis meses. Os combates foram suspensos em junho de 65 e os dois líderes concordaram em retornar à situação anterior. Porém forças especiais paquistanesas estavam treinando guerrilheiros e fomentando a revolta dos mulçumanos da Caxemira contra a dominação indiana. Essas tropas irregulares fustigaram as unidades do Exército indiano, que foi obrigado a usar três divisões de infantaria para contê-las. O XV Corpo indiano capturou a passagem de Haji Pir, próxima a capital Muzaffarabad e para aliviar a pressão a 12a.Div.Inf. paquistanesa tomou a fortaleza de Chamba e avançou pelas planícies em direção a Akhnur, onde a sua 7a.Div.Inf. foi retida por duas brigadas indianas. A Operação Enigma, preparada pela Índia para capturar a margem leste do canal de Ichogil, usando os I e XI Corpos e a 1a.Div.Blindada, desfechada em 6 de setembro, foi um trágico fiasco. Mobilizando suas defesas em cinco pontos ao longo do canal, os paquistaneses não só rechaçaram o ataque como contra-atacaram, perseguindo os soldados indianos pelos canais de irrigação e plantações da região. Somente ao sul de Lahore as forças indianas triunfaram. A cidade de Chawinda não foi tomada devido à feroz defesa dos paquistaneses. Sob forte pressão internacional, um cessar-fogo foi assinado em 23 de setembro de 1965.
Forças envolvidas
Índia: I, XI (7a. e 15a.Div.Inf; 4a.Div.Montanha) e XV Corpos de Exército, 1a.Div.Blindada, 2a.Brigada Blindada, 26a.Div.Inf. e 191a.Brigada Inf.; caças Mig 21, Hawker Hunter e Mystère.
Perdas: cerca de 6.000 mortos e feridos; 375 tanques; 35 aviões.

Paquistão: 7a., 10a., 11a. e 12a.Div.Inf., 5a.Brigada Blindada, 6a.Div.Blindada; caças F-104 Starfighter e F-86 Sabre.
Perdas: cerca de 5.000 mortos e feridos; 350 tanques; 19 aviões.
Principais batalhas
Captura da passagem de Haji Pir, tomada do forte de Chamba, batalha pelo canal de Ichogil e ataque a cidade de Chawinda.
Resultado final

As ofertas soviéticas de ajuda militar aos dois lados, levaram a Índia e Paquistão a aceitar a retirada de suas tropas e retorno à situação de antes da guerra. O jogo paquistanês para a conquista da Caxemira enfraqueceu o governo militar e aumentou o descontentamento interno, principalmente no Paquistão Oriental, que se tornaria independente em 1971, resultando na República Popular de Bangladesh.

© www.militarypower.com.br


                                   www.militarypower.com.br                                   eXTReMe Tracker
                       A sua revista de assuntos militares na internet