Veículo blindado Boxer 8x8 - Europa

O Boxer (anteriormente denominado MRAV - Multirole Armoured Vehicle) é um veículo de combate blindado multifuncional projetado por um consórcio internacional para realizar uma série de operações por meio do uso de módulos de missão intercambiáveis. Essa característica distinta e única do veículo permitem várias configurações para atender a diferentes requisitos operacionais. As nações que participam do programa Boxer mudaram conforme o programa se desenvolveu. O veículo é produzido pelo grupo industrial ARTEC GmbH com sede em Munique, formado pelas empresas Krauss-Maffei Wegmann GmbH e Rheinmetall Military Vehicles GmbH do lado alemão e Rheinmetall Defense Nederland B.V. do lado holandês, sendo que a Rheinmetall tem uma participação de 64% na joint venture. O programa era originalmente uma joint venture entre a Alemanha, Grã-Bretanha e França, com o objetivo de desenvolver a próxima geração de veículos utilitários blindados. A França deixou o projeto em 1999 e seguiu com seu próprio projeto, o Véhicule Blindé de Combat d'Infanterie (VBCI). Após as negociações, um contrato foi concedido em novembro de 1999 para a produção de oito protótipos, quatro para a Alemanha e quatro para a Grã-Bretanha. O valor total deste contrato foi de £ 70 milhões. Em fevereiro de 2001, a Holanda aderiu ao programa e mais quatro protótipos foram construídos para este país. Em 12 de dezembro de 2002, o MRAV foi apresentado em Munique, Alemanha e o segundo protótipo (PT2) foi lançado, com o veículo sendo batizado "Boxer". Nessa época, a primeira lote de produção era para 600 veículos, 200 para cada país. Em julho de 2003, logo após o início da Guerra do Iraque, o Ministério da Defesa da Grã-Bretanha anunciou sua intenção de se retirar do programa Boxer e se concentrar no Future Rapid Effect System (FRES), que visava equipar o Exército Britânico com até 4.000 veículos blindados. Mas, como veremos adiante, 15 anos depois os ingleses voltariam atrás em sua decisão. A Holanda confirmou no outono de 2006 a aquisição de 200 Boxers, estes para substituir o M577 e as variantes de apoio do YPR-765 no Exército Real Holandês, onde é denominado Pantserwielvoertuig (PWV). As entregas estavam programadas para ocorrer de 2013 a 2018, com veículos vindos da linha de produção no país. Naquele mesmo ano o parlamento alemão aprovou a aquisição de 272 Boxers para o Exército Alemão, para substituir alguns de seus veículos M113 e Fuchs TPz-1. As entregas do Boxer estavam programadas para começar em 2004, mas várias mudanças de design combinadas com problemas políticos atrasaram o início da produção até 2008, e o primeiro exemplo de só foi entregue ao Exército Alemão em setembro de 2009. Antes do início das entregas, os 12 protótipos foram submetidos a uma série de testes de confiabilidade e de durabilidade, rodando mais de 90.000 km ao longo de um período de sete anos. O Boxer é um blindado 8x8 que na época de seu desenvolvimento ofuscou facilmente a maioria dos veículos contemporâneos com seu tamanho. Com um peso de combate em estágio de desenvolvimento de 33 toneladas, também era cerca de 10 toneladas mais pesado do que muitos de seus concorrentes. Nos últimos anos, as diferenças de tamanho / peso entre eles diminuíram consideravelmente, com o Boxer sendo citado como tendo um peso de combate de 36,5 ton. nas configurações A1 e A2, enquanto veículos como o Terrex III tinha um peso de combate de 35 ton., o VBCI da Nexter, o AMV da Patria e o Piranha V da General Dynamics, todos pesando em torno da marca de 32 a 33 toneladas. O peso de combate atual do Boxer na configuração A3 é estimado em até 38,5 toneladas. Construído a partir de uma estrutura de aço laminado totalmente soldada, na qual um kit de placas de blindagem AMAP-B pode ser instalado conforme exigido pelas estimativas de ameaça que irá enfrentar. De acordo com a ARTEC, o veículo resistirá a minas antipessoal e antitanques de tipo não divulgado sob as rodas, o chassi ou ataque lateral. Embora os níveis de proteção da blindagem sejam ainda classificados, segundo algumas fontes o Boxer é totalmente resistente a munições perfurantes de calibre 14.5 mm de acordo com o padrão STANAG 4569 Nível 4. Para aumentar a capacidade de sobrevivência em caso de penetração da estrutura, o compartimento da tripulação é completamente coberto por um forro AMAP-L spall. O spall liner detém a maioria dos fragmentos da blindagem e projéteis produzidos pela penetração do casco. Além disso, os assentos são desacoplados do chão, evitando que o choque de uma detonação de mina seja transmitido diretamente para o corpo dos tripulantes. A blindagem do teto é projetada para resistir a fragmentos de artilharia e armas de ataque de topo, como minibombas equipadas com uma ogiva Antitanque de Alto Explosivo (HEAT). Um sistema eletrônico de contramedidas não especificado (ECM) também foi instalado para combater os IED (dispositivos explosivos improvisados). Essas mudanças resultaram em um aumento de peso de 1.058 kg para a configuração A1 em relação à variante APC A0 básica. Para a A2, a proteção foi aumentada ainda mais.


Versão do Boxer IFV para o Exército Australiano. Para visualizar as demais versões, clique aqui.

O Boxer consiste em dois elementos principais: a plataforma / linha de transmissão (o módulo de transmissão) e o módulo de missão removível. Isto permite que ele seja rapidamente reconfigurado com requisitos operacionais específicos para cada tipo de missão. Os módulos são unidades semelhantes a pallets que são conectados por quatro pontos e podem ser trocados dentro de uma hora em condições de campo. A posição do motorista está localizada na frente à direita, com o motor à esquerda. O conjunto de potência MTU / Allison pode ser substituído em condições de campo em cerca de 30 minutos e pode, se necessário, ser executado fora do veículo para fins de teste. O Boxer tem tração integral com travas de diferencial em todos os eixos e nas quatro rodas dianteiras, que são direcionáveis. A suspensão é composta por molas helicoidais duplas, totalmente independentes. Os pneus são 415/80 R685, do tipo run-flat (que podem rodar por alguns quilômetros ainda que percam pressão) e com um sistema central de calibragem. O conjunto de potência consiste em um motor a diesel MTU 8V199 TE20 desenvolvendo entre 530 kW (710 cv) ou 600 kW (805 cv) e acoplado a uma transmissão totalmente automática Allison HD4070 com sete marchas à frente e três à ré. Os Boxer de produção são equipados com uma variedade de armamentos, desde uma metralhadora leve de 7.62 mm em uma estação remota até um canhão de 30 mm em uma torre. Os veículos holandeses estão equipados com o Protector M151 RWS de Kongsberg equipado com uma metralhadora pesada de 12.7 mm. Os veículos alemães são normalmente equipados com o FLW-200 da KMW, que pode ser equipado com uma metralhadora MG3 de 7.62 mm, uma M3M HMG de 12.7 mm ou um lançador de granadas automático GMW de 40 mm. O FLW-200 possui estabilização de eixo duplo e incorpora um telêmetro a laser e um visor térmico. Os blindados do Exército da Lituânia estão equipados com a torre Samson Mk II RCT da empresa israelense RAFAEL, montando um canhão de alimentação dupla Orbital ATK Mk 44 de 30 mm, uma metralhadora coaxial MG3 de 7.62 mm e mísseis Spike-LR. Já os Boxer australianos montam a torre de dois homens Rheinmetall LANCE 30 mm, equipada com o canhão de alimentação dupla estabilizado Mauser MK30-2 / ABM e metralhadora coaxial MG3 de 7.62 mm. O giro da torre é totalmente elétrico em 360 ° com elevação de arma de -15 ° a + 45 °, sendo esta última útil para operações urbanas. Um sistema digital de controle de fogo Rheinmetall está instalado, o que permite que alvos fixos e móveis sejam engajados com uma alta probabilidade de acerto no primeiro tiro mesmo com o Boxer em movimento. O Boxer é oferecido no mercado militar em diversas versões e com diversos módulos de missão intercambiáveis: Blindado Transporte de Pessoal (APC - Armoured Personnel Carrier), Veículo de Reconhecimento de Combate, Posto de Comando, Veículo de Engenharia, Veículo de Recuperação e Reparos, Veículo de Apoio Logístico e Ambulância. Outras variantes estão em desenvolvimento como o Veículo de Combate de Infantaria (IFV - Infantry Fighting Vehicle), Boxer RCH155 com um canhão PzH 2000 de 155 mm para apoio de fogo de artilharia, Veículo de Defesa Antiaérea com canhão Oerlikon Skyranger de 30 mm e cadência de 1.000 tiros por minuto, entre outras. O Boxer, até o momento, foi adquirido pelos seguintes países: Alemanha, com 403 unidades entregues, de 544 encomendadas; Holanda, 200 unidades entregues; Lituânia, adquiriu 91 unidades; Austrália encomendou 211 unidades depois que o Boxer venceu a licitação Land 400 Phase 2; Argélia pretende produzir até 500 unidades sob licença; e, 15 anos depois de se retirar do programa, a Grã-Bretanha anunciou em março de 2018 que estava se reintegrando ao projeto Boxer e iria adquirir inicialmente 528 unidades do blindado (o pedido total pode chegar a 1.500 unidades) após este vencer a concorrência do Exército britânico para um novo Veículo de Infantaria Mecanizada (MIV - Mechanised Infantry Vehicle). Para visualizar as versões atuais ou em desenvolvimento do Boxer, clique aqui.


Origem
 
  
 
Alemanha / Grã-Bretanha / Holanda
Dimensões
compr.: 7,9 m / larg.: 2,9 m / h: 2,7 m
Tripulação
3 tripulantes + 8 soldados
Peso
38,5 ton
Velocidade
105 km/h (máxima)
Motorização
MTU 8V199 TE20,
com potência de 710 hp
Armamento
principal
canhão de 20 ou 30 mm


www.militarypower.com.br
A sua revista de assuntos militares na internet
eXTReMe Tracker